quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

"Hoje fui aceite pelos viscerais-realistas. Não houve cerimónia de iniciação. Ainda bem": Arturo Belano logo a abrir "Os Detectives Selvagens" e eu a citar de memória.

A propósito do neo-realismo, o título resume tudo o que eu sei sobre literatura. Mas não é isso que aqui me traz. Olhem com olhos de ver a foto no final do post anterior. Iranianos? Retire-se o tipo com o fez, e a foto poderia ter sido tirada em Portugal. É algo que me vem incomodando desde que vi "The Color of Paradise", esta semelhança entre Portugal e o Irão.

A avó, no filme, é um decalque da minha avó materna até ao pormenor de usar o relógio de pulso atado ao lenço. Ou à alça da bata, já não me lembro bem. Mas lembro-me da sensação de ver a minha avó retratada.

O céu em Bruxelas, continua com uma cor cinzenta-suicida.

3 comentários:

no worries disse...



em Abril já se pode crusar em t-shirt
as planícies circundantes a Station du Midi

António Machado disse...

ai-a-tola, grass

Izzy disse...

Aconselho Vitamina D. Eu nao sobreviveria aos invernos da Windy City sem ela.