terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Intervalo neo-clássico.

Só podemos inclinar a cabeça, quando a eloquência faz uma aparição, pela boca de um homem com a quarta classe, num país colonizado por deselegantes, histéricos e humoristas engraçados pagos pelas mesmas instituições que estrangulam o país. Ainda não percebemos que, muitas vezes, a oratória é uma arma bastante mais eficaz do que a comédia.

2 comentários:

alma disse...

Muito bom

Anónimo disse...

o deputado europeu nuno melo disse há uns tempos que "um cristão não mente".

é um homem, portanto, dado a paradoxos.

três vivas aos clássicos.